GERAÇÃO DIGITAL

Maio 23, 2009

cartaz2009As três Celebrações deste Domingo são convergentes no sentido, porque Jesus antes de subir para o Pai propõe: “Ide por todo o mundo e anunciai o Evangelho a toda a criatura. Quem acreditar será salvo…”. A celebração da Família Rural, na Casa do Oeste, tem por finalidade evidenciar o papel dos cristãos na construção do Reino de Deus, a partir da Fé. Os cristãos são, simultaneamente cidadãos da cidade de Deus e da cidade dos homens e são chamados a introduzir na construção da cidade dos homens a novidade e a profundidade da Fé recebida. É disto que falará o Prof. Dr. António Matos Ferreira “Os Movimentos da Acção Católica e a sua actualidade no contexto social e eclesial”. Pois, os cristãos são chamados a tornarem a Igreja presente e activa nos locais e circunstâncias em que, só por meio deles, ela pode ser o sal da terra. Pertence aos leigos pelas suas iniciativas e sem esperar passivamente ordens e directrizes, imbuir de espírito cristão a mentalidade e os costumes, as leis e as estruturas da sua comunidade de vida (AO.48e PP). O papa Bento XVI, na sua mensagem sobre os meios de Comunicação Social, centra a nossa atenção na “geração digital”. O mundo da Internet. Propõe-nos uma reflexão sobre “As novas tecnologias e as novas relações,… no continente digital”. Sejam também eles meios de semear o Evangelho de Jesus Cristo. João Paulo II já nos tinha falado da Internet como “novo fórum para a evangelização”. As mudanças que cada vez mais afectam a vida das pessoas e sobretudo as novas gerações e de modo profundo, são um desafio novo à acção missionária evangelizadora. Porque as novas tecnologias são um potencial extraordinário, “quando usadas para favorecerem a compreensão e a solidariedade humana”. Por conseguinte devemos usar as redes digitais para “promover a solidariedade humana, a paz e a justiça, os direitos humanos e o respeito pela vida e o bem da criação” Diz-nos o Papa: «Desejo encorajar todas as pessoas… a que se empenhem na promoção de uma cultura do respeito, do diálogo, da amizade” – usando os telemóveis, os computadores e a Internet:

– Promovendo o respeito pela dignidade e valor da pessoa humana: «Se as novas tecnologias devem servir o bem dos indivíduos e da sociedade, aqueles que as usam devem evitar a partilha de palavras e imagens degradantes para o ser humano e, consequentemente, excluir aquilo que alimenta o ódio e a intolerância, envilece a beleza e a intimidade da sexualidade humana, explora os débeis e os inermes.»

– Promovendo o diálogo entre as pessoas «radicado numa busca sincera e recíproca da verdade, para realizar a promoção do desenvolvimento na compreensão e na tolerância. A vida não é uma mera sucessão de factos e experiências: é antes a busca da verdade, do bem e do belo. […].

– Promovendo a amizade «Nas nossas amizades e através delas crescemos e desenvolvemo-nos como seres humanos. […] Seria triste se o nosso desejo de sustentar e desenvolver on-line as amizades fosse realizado à custa da nossa disponibilidade para a família, para os vizinhos e para aqueles que encontramos na realidade do dia a dia, no lugar de trabalho, na escola, nos tempos livres. De facto, quando o desejo de ligação virtual se torna obsessivo, a consequência é que a pessoa se isola, interrompendo a interacção social real. Isto acaba por perturbar também as formas de repouso, de silêncio e de reflexão necessárias para um são desenvolvimento humano.»

P. Batalha

Mensagem de Bento XVI

Anúncios

CRISE? QUE CRISE?

Maio 12, 2009

crise, Crise, CRISE, CRISE ….

Todos falamos da crise! Todos temos muitas soluções para a crise! Todos somos entendidos em economia e finanças! Mas de que crise falamos? A crise dos poderosos ou a crise dos que há já muito tempo passam fome?…

E temos falado das injustiças? E temos falado da exploração? E temos falado das desigualdades? E temos falado da miséria? E temos falado da especulação? E temos falado da ganância? E temos falado da crise de valores? E temos falado da manipulação política da crise? E temos falado da demagogia? E temos falado dos oportunistas? E temos falado…

De que crise falamos?

VEMOS, OUVIMOS E LEMOS… NÃO PODEMOS IGNORAR!